Vai-Vai-desfile-2019

Neguitão nega ter desviado verbas e atribui a Thobias da Vai-Vai articulação para queda

 

O presidente da Vai-Vai, Darly Silva, o Neguitão, diz que a escola foi rebaixada por ser “mal avaliada por jurados despreparados”. A escola de samba ficou em último lugar do Carnaval paulistano e caiu para o Grupo de Acesso.

“Pra não falar maldosos, foram, no mínimo, despreparados. Um julgamento fora da normalidade. Todo mundo viu desfiles muito inferiores.” 

“Ninguém acredita que nós caímos com o Carnaval que apresentamos. Ficamos em último lugar. Alguma coisa de estranho rolou”, afirma o mandatário da agremiação do Bixiga, no centro de SP. 

“São coisas que a gente vê que parece que foi tendencioso”, avalia. “Não quebrou nenhum carro, não caiu nenhum chapéu, não rasgou nenhuma roupa. A escola foi penalizada por jurados que dizem que o figurino não estava de acordo com o que estava na pasta.”

Ele se refere aos desenhos das fantasias entregues à comissão julgadora para serem usados como base para dar notas. Nas justificativas, alguns dos avaliadores apontaram discrepância entre o material impresso e o que foi visto no desfile da agremiação no quesito comissão de frente. 

A Vai-Vai perdeu 0,7 décimos por sua comissão de frente, pontuando 29,3 –o pior placar no quesito entre as 14 agremiações do Grupo Especial. “Fomos rebaixados por essa nota”, aponta Neguitão, que emenda que o grupo “vai lutar contra isso”. “A gente juntou material para mostrar que jurado fritou a Vai-Vai. Que derrubou com má intenção”, diz. 

A escola protocolou um dossiê na Liga SP, organizadora do desfile no Anhembi, apontando o que julga terem sido erros de avaliação. Na semana que vem, a agremiação deve se reunir com outros presidentes de escolas de samba paulistanas para debater o assunto. “A Vai-Vai não pode ser rebaixado por erro de jurado”, afirma Neguitão. “É um erro que custou o descenso da escola, que nunca caiu em 90 anos de existência e hoje está com essa mancha.” 

Falando em mancha, ele acrescenta: “Não estamos contestando o título da Mancha Verde. Pelo amor de Deus. Estamos contestando as notas atribuídas à Vai-Vai. Só queremos deixar claro que [o rebaixamento] não foi por incompetência da escola”, diz Neguitão. 

A diretoria da Vai-Vai é alvo de inquérito no Ministério Público que investiga suposto desvio de R$ 1,2 milhão repassados pela Prefeitura de SP no Carnaval de 2018. Segundo a denúncia, a escola não prestou contas referentes ao valor. 

“É fake news. Desafio qualquer um a mostrar que desviei dinheiro público. Pode levantar a minha vida de cabo a rabo. Não tenho nada a temer. Tenho todos os documentos das prestações de contas”, diz Neguitão, que está no terceiro mandato consecutivo desde 2011. 

Ele vê as acusações como parte de um jogo encabeçado pelo ex-presidente Thobias da Vai-Vai e o grupo opositor Resistência para tirá-lo do comando da escola. “Ele [Thobias] é um cara de conchavo”, diz, referindo-se ao presidente de honra da entidade.

“O Thobias é cantor. É o que ele sabe fazer. Nunca se preocupou com uma pluma ou moveu uma palha para fazer Carnaval na escola”, conta Neguitão. “Quando ele entrou na presidência, em 2006, eu era braço direito dele. Aí eu entrei [no comando, em 2011]. Ele ficou chateado e se afastou. Depois, voltou. Em 2014 ele virou meu vice e ficou até 2018.” 

“Quando, em 2018, nós ficamos em 10º lugar no Carnaval, as pessoas começaram a reclamar do resultado e ele [Thobias] virou a casaca e se juntou com a Resistência para me derrubar”, conta. “Mas o conselho estava comigo e me reconduziu ao cargo [na eleição realizada no ano passado].”

“[Na época do pleito] o Thobias procurou alguns conselheiros e eles sinalizaram que não iam apoiá-lo. Aí ele foi fazer outro tipo de jogo. Quis me dar uma rasteira”, emenda Neguitão. “Depois que perdeu duas vezes na Justiça, ele foi ao Deic [Departamento de Investigações sobre Crime Organizado], acusando os conselheiros de falsificar documentos. Depois, foi à promotoria e me acusou de desvio de dinheiro público.”

Thobias nega as acusações. “Não fui eu que mandei investigar. O Ministério Público quer apurar porque envolve verba pública e por conta dessas coisas que circulam na internet pedindo mais transparência na gestão”, diz ele. “Esse movimento de oposição existe desde 2014, não fui eu que criei”, segue ele. “Rompi com o Neguitão diante da insistência dele de ficar no poder”, diz o presidente honorário –veja o outro lado abaixo. 

Neguitão relata que seus opositores tentaram agredi-lo. “Quiseram tomar a escola na marra. Foram ao estacionamento e quebraram o meu carro. Ainda tentaram me forçar a renunciar assinando num papel de pão. Eles alegavam que a [minha] eleição tinha sido ilegal, que o estatuto tinha sido mudado.”

Em sua última eleição, em 2018, o presidente da Vai-Vai foi escolhido entre os conselheiros da escola em uma votação fechada realizada pelo próprio conselho. Thobias afirma que essa regra foi acrescentada na mudança do estatuto que entrou em vigor para o pleito –antes, segundo ele, as eleições eram feitas em assembleias abertas. “Fui eleito como todos os outros presidentes foram”, afirma Neguitão. 

“Seria interessante perguntar ao Thobias sobre o dinheiro que ele pegou via Proac. Ele colocou metade na escola e disse que teria que devolver a outra para alguém”, diz Neguitão, referindo-se a “R$ 300 mil” que Thobias teria obtido em 2009, mas nunca apresentou um projeto nem prestou contas. “A dívida segue aberta. Hoje já está em R$ 1 milhão.” 

“E também sobre o dinheiro da Lei Rouanet”, emenda ele sobre cerca de “R$ 900 mil” que o ex-mandatário teria conseguido em 2010 –e não prestou contas. 

Este foi o primeiro Carnaval em que figuras importantes da escola, como Thobias da Vai-Vai e Osvaldinho da Cuíca, deixaram de desfilar, em protesto. “Vamos exigir a renúncia [da atual diretoria]”, disse Thobias à Folha.

A oposição também acumula pedidos de transparência à atual gestão e mantém um blog de denúncias contra Neguitão. O grupo organizou uma série de protestos no ano passado com faixas pedindo a saída do atual presidente durante ensaios na quadra da escola.

Neguitão vê 2018 como “muito difícil”. “O que aconteceu com a Vai-Vai era uma tragédia anunciada. Eles [oposição] tentaram minar nosso trabalho para acontecer o que aconteceu. São uma minoria, mas que joga sujo. E fizeram de tudo para atrapalhar nosso Carnaval”, diz

OUTRO LADO

Thobias nega que tenha desviado verbas públicas. “O dinheiro público é carimbado. Todos os recursos obtidos na minha gestão sempre foram depositados na conta da Vai-Vai”, diz ele. 

Ele reconhece, porém, que no caso dos recursos via Proac as contas não foram prestadas. “Saindo da presidência, eu teria que ter feito a prestação das contas. E não foi feita. De repente a responsabilidade é nossa, minha e dele”, diz Thobias. 

Sobre a mudança no estatuto, ele diz que apenas acompanhou reuniões sobre o tema. Thobias compara a situação da Venezuela à briga pelo poder na escola. “No novo estatuto, a diretoria escolhe o conselho e o conselho escolhe a diretoria. [Neguitão] é o Nicolás Maduro”, disse ele. “De tão maduro, vai cair.”

O presidente de honra diz não ter interesse em voltar ao comando da Vai-Vai. “Não faz sentido. Eu já fui presidente. Hoje não preciso ser. Pra mim não seria um cargo. Seria um encargo. Um atraso de vida. A escola está toda comprometida com o CNPJ”, diz. “Eu tenho um nome a zelar. Ele, não.” 

O grupo Resistência fará uma manifestação na sede da Vai-Vai neste domingo (10).

Fonte: Folha de São Paulo – Coluna Mônica Bérgamo

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here